quarta-feira, 18 de julho de 2007

Com o Grito Preso na Garganta

Reportagem 1:

23 de Fevereiro de 2007 - 19h24 - Última modificação em 24 de Fevereiro de 2007 - 02h09

congonhas terá vôos remanejados durante reforma da pista auxiliar

Marli Moreira Repórter da Agência Brasil

São Paulo - Aviões fretados ou de pequeno porte, que representam em torno de 5% das 620 operações diárias do Aeroporto de Congonhas, terão o número de vôos limitado a partir de terça-feira (27). O início das obras de reforma da pista auxiliar está previsto para a segunda-feira (26).

De uma média de 170 operações por dia com essas aeronaves, “limitaremos a 101 os movimentos com coordenação do aeroporto”, informou a diretora da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), Denise Abreu. Os vôos restantes, explicou, terão que embarcar ou desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

De acordo com o cronograma da Empresa Brasileira de Infra-Estrututura Aeroportuária (Infraero), a reforma deverá durar 120 dias, mas a pista auxiliar já poderá receber aviões em cerca de 75 dias, sempre que os procedimentos não puderem ocorrer na pista principal. Diariamente, a pista auxiliar é utilizada em até 12% dos vôos. Quando estiverem corrigidos os declives que hoje levam à formação de poças de água em dias de chuva – e obrigam ao fechamento do terminal –, também deverá ser reformada a pista principal.

Segundo Denise Abreu, no dia 19 de março será realizada audiência pública para discutir essa segunda reforma, que deverá demorar cerca de dois meses. Ela garantiu que o plano estratégico não deverá prejudicar os usuários, porque as companhias da aviação comercial farão a redistribuição de horários e o terminal ficará aberto de 5h30 a 0h30.

Denise Abreu falou ao deixar a sede do Tribunal Regional Federal da 3a Região, onde fora consultar decisão da Justiça sobre a manutenção, em Congonhas, das operações dos modelos Fokker 100 e Boeings 737-700 e 737-800. Ela estava acompanhada de Josef Barat, também diretor da Anac, que disse ter sido "o planejamento estratégico adotado para o período da reforma” o fator de convencimento da desembargadora Cecília Marcondes, da 3ª Turma do Tribunal, a concordar com a manutenção desses aviões em operação.

A desembargadora havia determinado que caso a Anac não apresentasse laudos técnicos comprovando a segurança de operações para esses três modelos, eles não poderiam operar em Congonhas a partir de segunda-feira (26). Ela se manifestou depois de analisar o processo, recebido anteriormente pelo desembargador Antônio Cedenho, que havia concedido liminar favorável à Anac e mantido a restrição para pousos e decolagens apenas em dias de chuva.

O recurso judicial foi parar nesse Tribunal devido à decisão de proibir os pousos, tomada no dia 5 pelo juiz Ronald Carvalho Filho, da 22a Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo. Ele adotara a medida após receber pedido do Ministério Público Federal de interdição da pista.

Fonte: Agência Brasil



Reportagem 2:

Chuva
Avião da Pantanal derrapa em Congonhas
Publicada em 16/07/2007 às 13h48m-

(Véspera do Maior Acidente Aéreo do Brasil)

O Globo Online

SÃO PAULO - Um avião da companhia aérea Pantanal derrapou na pista do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. O vôo 4763, que decolou de Araçatuba (SP), a 513 km da capital paulista, pousou na pista principal e foi parar no gramado. Segundo a Infraero, o incidente ocorreu às 12h43m e o aeroporto ficou fechado até 13h02m. Ninguém se feriu. A pista foi reaberta e dos 129 vôos programados para decolar, 16 estão com atraso.

De acordo com a assessoria da Pantanal, havia 21 pessoas na aeronave ATR 42, um turbohélice com capacidade para 45 pessoas. Além de passageiros de Araçatuba, o avião trazia passageiros da cidade de Bauru.

Este é o primeiro avião que derrapa em Congonhas depois da reforma da pista principal. Antes das obras, quatro tinham derrapado. Foi justamente por conta do risco de derrapagens que a pista foi interditada e passou por reformas. O serviço de grooving, no entanto, que são ranhuras na pista e servem justamente para aumentar a aderência dos pneus das aeronaves, ainda não foi feito.

Segundo a Pantanal, o avião sofreu uma aquaplanagem, já que no momento do pouso chovia.

A pista reabriu no dia 29 de junho e a Infraero havia afirmado que, por ser o período de inverno e tempo seco, não haveria problemas com a falta do grooving, que só deverá ficar pronto no fim de setembro.

Antes da reforma, a pista principal de Congonhas estava sendo fechada sempre que chovia e a água na pista acumulava mais de 3 mm. As interdições ocorriam em praticamente todos os dias com chuva na cidade.

A última derrapagem antes da reforma ocorreu com um boeing da Varig, em 17 de janeiro. A derrapagem ocorreu quando já estava vigorando a determinação do Centro Nacional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa) para suspender pousos e decolagens quando ocorresse chuvas. A determinação entrou em vigor desde 29 de dezembro.

Outra derrapagem aconteceu no início de outubro de 2006, com um avião da Gol, uma semana após a colisão de um jato da companhia com um Legacy, que deixou mais de 150 mortos. O avião da Gol estava pousando e derrapou na pista molhada, invadindo o gramado. Os 122 passageiros e seis tripulantes foram retirados e ninguém ficou ferido. O vôo, de número 1941, vinha de Cuiabá para São Paulo.

Em março, um avião da companhia BRA derrapou na pista de Congonhas e, por pouco, não caiu sobre a Avenida Washington Luiz. Executivos da BRA culparam as más condições da pista. Desta vez, a derrapagem teria acontecido pelo acúmulo de borracha de pneus na pista.

Após esses incidentes, a pista principal de Congonhas passou a operar mediante um Notam (Notice to Airmen), um alerta para que os pilotos operem com cautela por causa da possibilidade de pista escorregadia.

A Infraero já vinha adotando também um novo método de limpeza da pista para retirar os resíduos deixados pelos pneus dos aviões, que deixam a pista 'emborrachada', aumentando os risco de acidentes. A empresa também colocou microesferas de aço sobre o asfalto para melhorar a aderência dos pneus.

Pelo aeroporto de Congonhas passam 80% dos vôos no Brasil e por ali circulam diariamente 47 mil passageiros. Sua importância é estratégica, seja em conexões, escalas ou pousos e decolagens.

Congonhas já foi reformado e sua capacidade de passageiros subiu de 8 para 12 milhões de pessoas por ano. O problema é que Congonhas já recebe número de pessoas maior do que esse. São 17 milhões de passageiros por ano, superando o Aeroporto Internacional de Guarulhos, que recebe cerca de 14 milhões, tem capacidade ociosa e está ganhando um terceiro terminal para chegar a 27 milhões de passageiros. Na comparação com movimentação de Congonhas, Guarulhos se torna o segundo principal do país para a aviação civil.


É COM LUTO NO CORAÇÃO QUE CHORAMOS!

É COM PERPLEXIDADE QUE PERCEBEMOS QUE NINGUÉM NOS OUVE!

É COM INDIGNAÇÃO QUE CONSTATAMOS QUE NOSSAS VIDAS ESTÃO SUBMETIDAS AOS TECNOCRATAS !

É COM REPÚDIO QUE PERCEBEMOS SER TRATADOS COMO JOGUETES NAS MÃOS DE ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS, COMO SE A VIDA NÃO VALESSE MAIS NADA

MAS AINDA INSISTIMOS EM GRITAR, UM GRITO PELA VIDA DE TANTOS BRASILEIROS QUE AINDA HONRAM SEU PAÍS

VAMOS ABRIR NOSSAS GARGANTAS NUM GRITO DE REVOLTA,
MESMO CONTANDO NOSSOS MORTOS
MESMO QUE NINGUÉM MAIS NOS OUÇA !

3 comentários:

Dan disse...

Não foi acidente. Foi crime.

Atributarista disse...

Sabe, fico pensando que país é esse, meu Deus.

Já perdemos a sensibilidade. Já achamos tudo normal...

O que mais será preciso?

José Edson disse...

Onde vc anda?

 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios